quarta-feira, 29 de dezembro de 2010

AMIGO


Guardo-te no coração
Mesmo longe, sei que estás aqui
Sabes bem tudo o que sinto
Sentes sempre tudo o que sei
Porque ambos sabemos
Que haja o que houver
Nada ou ninguém
Nos pode separar!
"
in "Dialectos da Memória" - Ana Casanova
"
Dedico este poema a todos os meus amigos com quem aqui partilho, sonhos, esperanças, vivências, com o desejo de um Feliz Ano de 2011!

quinta-feira, 16 de dezembro de 2010

"Desabafos d'Alma" - Serão de Poesia na Buchholz






Meus amigos, realizámos um Serão de Poesia na Livraria Buchholz em Lisboa, mais um lugar de culto de quem gosta das Artes e foi maravilhoso.
Fomos recebidos excepcionalmente e começámos a conversa, falando eu sobre como comecei a escrever e partilhar, sonhos, paixões, desencantos, recordações e contando que foi aqui neste espaço a que sempre chamei de "meu cantinho" que comecei com certa timidez a partilhar o que já havia escrito, em verso, prosa poética... enfim, Desabafos!
O meu editor falou de seguida falando de como através deste blog me conheceu, conhecendo depois o meu filho César, estudante de Artes. Apostou em mim disse ele, porque de forma directa e simples "passava" sentimentos.
Desta forma surgiu o convite de editar este meu primeiro livro, sendo capa e interiores da autoria do César porque lhe prometi que seria sempre ele o autor do aspecto gráfico do que eu fizesse e esta parceria, com muito amor tem funcionado na perfeição.
Mais uma vez e como sempre desde que tive a benção de a conhecer, a Professora e querida amiga Cecilia Melo e Castro apresentou-me aos presentes e à minha poesia como acho que mais ninguém o consegue e leu os meus poemas "no Feminino", escolhendo, "Não sou Anjo",
"O teu Olhar" e "Assim eu Sou".
Tive o privilégio de ter comigo a dizer a minha poesia o grande actor Victor de Sousa que a todos nos fascinou.
Escolheu os meus poemas, "Ao Tempo", "O poder das Palavras", "Temporal"
e "A Preto e Branco".
Prosseguiu lendo outros autores como Alda Lara, Miguel Torga, Ary dos Santos, Rosa Lobato Faria, Pedro Homem de Mello, terminando com o nosso Nobel da Literatura, José Saramago
cuja poesia eu sinceramente desconhecia.
De seguida o meu César mostrou os seus quadros e como jovem de 17 anos que é, timidamente mas muito bem, falou do seu amor à Arte mas também dos seus medos tão característicos da sociedade onde vivemos, onde os numeros e a "comida no prato" são a preocupação do dia.
Os artistas plásticos presentes deram-lhe as suas opiniões e os parabéns dizendo que não parásse nunca de lutar pelo que acredita e ele tem como exemplo a "poetiza desempregada" que é a mãe, que sonhou e aqui está com dois livros lançados e abraçando outras causas e com outros projectos.
Como sempre aproveito estas ocasiões para referir a causa que abraço e é razão da minha luta, que é a do meu filho Gonçalo, hiperactivo com défice de atenção, que passo a passo mostra progressos e já começou a ler pequenos textos como já partilhei convosco.
Terminei lendo o poema que fiz para ele e está neste livro que se chama "Especial".
Foi uma noite mágica de muita emoção, confraternização e beleza entre pessoas que amam as artes e com uma vontade enorme de gritar, dizendo a plenos pulmões: VIVA A POESIA, VIVA A ARTE!
"
Ana Casanova































































































terça-feira, 7 de dezembro de 2010

Nunca a mesma


Sempre eu mas sempre outra.
A mesma que,
vive, desespera, ama apaixonadamente
que tanto ri com gosto como chora copiosamente.
A mesma mas que se transforma a cada dia, quando sonha e "viaja"
insiste e resiste ao que não quer sentir.
Não posso sentir o que senti ontem porque hoje é outro dia
e os dias são todos diferentes.
Necessito de mudança e vivo expectante a cada novo dia,
porque só assim me renovo, só assim sou EU, só assim
me encontro!
"
in "Dialectos da Memória" - Ana Casanova

sexta-feira, 26 de novembro de 2010

Não Desistas


Não deixes de acreditar
Não páres de sonhar
porque deste lado estou eu
E mesmo que o céu escureça
que a terra estremeça
e que o medo te invada
Eu vou estar aqui
a segurar a tua mão!
Por favor não desistas
não quebres esta corrente
que me dá força e alento
para prosseguir a caminhada.
"
A publicar - Ana Casanova

terça-feira, 16 de novembro de 2010

Sonhos e muita Esperança




E hoje é um dia FELIZ!
O Gonçalo conseguiu ler sózinho o seu primeiro texto, "O piratinha".
Este ano como já havia referido tomámos a decisão de que permanecesse no 4º ano porque segundo palavras da Professora Luisa que o acompanhou do 1º ao 4º ano lectivo, anterior, o Gonçalo começava a "abrir" para a leitura. Mudá-lo de escola seria um erro que poderia provocar um retrocesso e todos estivemos de acordo.
O caminho tem sido percorrido passo a passo e o crescimento e evolução são notórios. O estimulante cerebral foi aumentado no que respeita à dosagem para uma maior eficácia no que respeita à concentração e ele está extremamente motivado como sempre.
Alguns percalços têem havido no que respeita a observações de meninos cujos pais não os ensinam a lidar com as diferenças e até de um professor que perguntou ao Gonçalo o que estava a fazer no 4º ano se não sabia ler nem escrever. Se ele já tinha pensado o que ia fazer no futuro. Devem imaginar o que sinto quando um professor não sabe que tem com ele um aluno da alinea E com um ensino especial e direccionado com matéria específica e fico a pensar se sim, ele, sabe o que anda a fazer e que futuro terá numa carreira tão importante como a de professor, estando a formar os Homens de amanhã.
Apesar de não poder deixar de referir este episódio porque o acho importante e já está resolvido, quero contar-vos que o meu menino chegou com aquele seu sorriso lindo e aberto, contando que a Professora Lidia, que o conheceu apenas este ano, o levou a ler o texto às várias turmas e festejaram batendo palmas e dando os parabéns.
Os beijos e abraços foram muitos e relembrei emocionada o que lhe disse quando me dirigi a ele, no lançamento do meu segundo e ultimo livro, "Dialectos da Memória".
Referi a nossa luta, os seus progressos e disse que no meu próximo livro a lançar, ele leria um poema.
Ele sorriu feliz dizendo que sim e que quer que lhe faça um poema "simplezinho"... Claro que nos rimos muito com esta sua frase.
A nossa luta prossegue mas mais uma batalha está ganha e é esta uma das grandes razões da minha vida e da minha poesia!
#
"Deixem-me viver
o meu sonho acordada
Deixem-me sonhar
que tudo é possível!"
in "Desabafos d'Alma"
#
"Continuo a acreditar
E nesta vida que pulsa
neste acreditar constante
eu resisto às intempéries
porque nada me detêm!"
#
in "Dialectos da Memória"
"
Ana Casanova

quinta-feira, 11 de novembro de 2010

Medo de te perder





Tenho medo de sentir
ou medo do que já sinto
e tudo isto sem te ver...
Foi tudo tão inesperado
na cumplicidade e carinho
que só sei que ando ausente
inquieta, desatenta...
Pensando em ti sómente!
Mas a vida são momentos
que o tempo leva num sopro
e neste momento descobri
que o medo maior que sinto
é da dor de te perder
sem sequer te poder ter
do medo grande que sinto!
"
in "Dialectos da Memória" - Ana Casanova

quarta-feira, 3 de novembro de 2010

A Mentira


Dizem que há várias mentiras
umas até piedosas
Para mim são falsas, mentirosas!
Agora ainda lhes chamam
de Inverdades
Tudo palavras enganosas, mentirosas...
Gosto da franqueza
da verdade nua e crua
da dureza que magoa
mas que não é mentirosa
e eu prefiro-a assim!
"
In "Dialectos da Memória" - Ana Casanova

sábado, 30 de outubro de 2010

Sentimento



Quando tu chegas...

É como se entrasse um raio de sol

e no meu coração faz-se luz!

Chegas e iluminas a minha vida

sinto-me renascer, sinto-me viva

eu navego, eu flutuo

eu viajo e deliro

e tudo porque tu chegas e o tempo pára

ou porque chegas e o tempo pássa a correr...

Mas tu, tu ficas em mim

porque corres no sangue

que corre nas minhas veias

Estás no ar que respiro

ficas preso na minha retina

que só te vê a ti...

Chegas e o coração não me cabe no peito

de tanto que te quero e desejo

Como é possível que um sentimento

tão belo e sublime possa causar tanta dor?

Talvez porque chegues apenas em sonhos...


"

in "Dialectos da Memória" - Ana Casanova

segunda-feira, 25 de outubro de 2010

"Dialectos da Memória" na Suiça - Genève





Meus amigos, escrevo-vos mais uma vez para partilhar convosco mais um sonho concretizado.
Com o apoio de amigos queridos que me apoiam porque gostam de mim e do que escrevo, encontro-me em Genève para tratar da apresentaçao do meu segundo livro "Dialectos da Memória".
Fui muito bem recebida pelo Sr. António Pinheiro da "Livraria Camões", uma livraria Portuguesa de enorme prestigio que apoia e divulga a cultura portuguesa. Os meus livros ficaram imediatamente à venda e o mais interessante foi que enquanto conversávamos, houve um telefonema perguntando se o livro de Ana Casanova já se encontrava disponivel, o que naturalmente me surpreendeu e deixou também feliz.
As alegrias são muitas, as novidades ainda são mais mas como sempre vou esperar para que sejam mais concretas para então, contar.
Espero que entendam esta minha "ausencia", mas com a certeza de que nunca vos esqueço.
Este blogue e a vossa presença tem-me mantido viva!
Deixo-vos então com um poema deste novo livro e com aquele abraço muito caloroso.
Ana Casanova
Enquanto o coração bater
Eu vou olhar o sol brilhar
A paixão vai ecoar no meu peito
E a vida vai fazer sentido
Porque o fogo não vai parar de arder
E o Amor não vai morrer
Porque eu não vou parar de sonhar!
"

in "Dialectos da Memória" - Ana Casanova

terça-feira, 12 de outubro de 2010

Sonhei...







Sonhei...
Um sonho bonito
de amor, paz, amizade pura
conciliação...
Dois seres de mãos dadas
num jardim, num País de ilusão
que eu nunca vi...
Um sonho que não é só meu
mas de tantos que sonharam
sonhos incompreendidos...
"
in "Dialectos de Memória" - Ana Casanova

quinta-feira, 30 de setembro de 2010

Dialectos da Memória





Queridos amigos, sábado dia 25 de Setembro foi o tão esperado dia do lançamento do meu 2º livro. Mais um "filho" que tenho nascido do coração.
Apesar da experiência não ser novidade, o nervosismo e ansiedade era grande assim como a felicidade.
O Paulo Afonso, um dos editores da Temas Originais fez a apresentação da editora e falou na aposta que faziam na minha poesia e de seguida falou a minha querida amiga Cecilia Melo e Castro e aqui vos deixo com algumas das palavras do prefácio que ela fez para o meu livro a que chamou de "Poética dos Sentidos".
Apenas vou deixar algumas passagens para quem não leu, ou não tem acesso ao livro, possa ter uma ideia, porque os poemas vocês vão conhecendo através deste espaço onde comungo convosco as minhas palavras, apesar de alguns dos poemas ainda não estarem aqui.
"
POÉTICA DOS SENTIDOS
"Nós somos constantemente convidados a sermos o que somos" - Henry David Thoreau -
Ao tomar contacto com a Poesia de Ana Casanova, senti-me levada a um exercicio de pensamento Deleuziano que me trouxe à memória o "tema da intensidade"... uma filosofia do acontecimento... uma filosofia da multiplicidade*.
...Assim de uma forma não-dialéctica, Ana Casanova quer transmitir-nos o seu recado: "É isto que tenho para vos contar, esta sou eu, aceitem a minha autenticidade"!
...Encontrei em DIALECTOS DA MEMÓRIA os seus próprios questionamentos e do mundo que a rodeia. Mundo esse que só aparentemente é a cores, quando não invadido pelos valores simbólicos do que nos faz recuar e avançar nesta caminhada da procura do EU e do OUTRO.
...O que mais amamos na Arte Poética é o belo e o sonho que ela nos pode dar. O que podemos retirar da poesia de Ana Casanova, é o resultado de uma procura permanente e o enunciado de uma experiência consumada....
"
Cecilia Melo e Castro
Agosto/2010
"
Este prefácio-não prefácio, como Cecilia chamou que a levaram a uma análise numerológica filosofica e psicologica, surpreendeu-me e encantou-me e na foto era exactamente isso que estava a expressar.
Acreditem que dizer algo depois desta grande Senhora falar, é complicado.
Com dificuldade devido à emoção que me invadia, agradeci aos presentes que se deslocaram num sábado à tarde até ao Auditório, à Temas Originais pela aposta em mim, à Cecilia por todo o apoio e incondicional amizade e ternura e apenas consegui por fim dizer aos meus dois filhos, como os amo.
Agradeci ao meu artista César a bela aguarela que fez para a capa do livro e as cinco ilustrações femininas, porque explicou na altura, que a poesia da mãe é uma poesia no feminino e foi nisso
que se inspirou e ao meu Gonçalo, cuja luta continuamos a travar para que consiga ler e escrever, eu disse que esperava e sei que ele também, que num próximo livro, ele pudesse ler já, um poema da mãe.
Não me foi possivel na altura dizer mais nada...
A Cecilia leu alguns dos meus poemas e depois desafiou os escritores presentes a ler ao desafio mais alguns ao que todos aderiram e foi lindíssimo!
Seguiram-se os beijos e abraços calorosos e junto com a dedicatória, entreguei um papiro em papel reciclado contendo cada um, poema diferente.
Outra ideia "sorridente" como disse o meu querido amigo Miguel Quaresma, da Cecilia Melo e Castro.
Finálizamos com Porto e bombons que nos adoçaram a boca porque a Alma, essa estava leve!
E foi desta forma que celebrámos o nascimento deste "Dialectos da Memória".
Estou feliz e como sempre faço, partilho convosco tudo. Um beijo com a amizade e carinho de SEMPRE!
"
Ana Casanova









quarta-feira, 8 de setembro de 2010

Lançamento meu 2º Livro - "Dialectos da Memória"


Meus amigos, venho partilhar convosco mais um momento feliz e importante da minha vida.
Tinha como projecto desde sempre realizar um livro onde estivéssem associados aos meus poemas, ilustrações do meu filho César Sousa.
A Editora Temas Originais, gostou do projecto e aqui estou para vos convidar para o lançamento de mais um livro com poesias minhas e capa (Aguarela) e ilustrações do meu César.
Algumas das poesias já aqui estão publicadas como fiz com o primeiro livro mas muitas ainda estão por publicar. A seu tempo vou partilhar com aqueles amigos que por motivos vários não podem estar comigo neste dia que vai ser mais um dia emocionante.
A minha poesia como sabem é auto-biográfica e retrata na totalidade os meus sonhos, anseios, vivências. Aqui vos deixo uma parte de um poema que escrevi e está no meu primeiro livro e que fala de sonhos...
"
(...) Se tu soubesses o que povoa
em tantos dos meus sonhos,
mas sonhos a concretizar
não por um passo de mágica
porque a mágica é ilusão!
Não quero viver iludida
quero fazer do sonho uma razão.
"
"Desabafos d'Alma - Ana Casanova

domingo, 5 de setembro de 2010

Quente


Detesto a monotonia
a rotina, o sempre igual
Povoam a minha vida
mas nunca a minha mente
sempre cheia de cores vibrantes
fortes, intensas...
pensamentos mirabolantes, fascinantes
imagens belas, exóticas, fantasiosas...
E é na minha mente
e no sangue que me corre nas veias
que a vida pulsa e corre QUENTE
a um ritmo sempre vibrante
até mesmo alucinante!
Ana Casanova

quinta-feira, 2 de setembro de 2010

Quando me olhas





Por estes dias, tive uma maravilhosa surpresa que muito me emocionou.

A minha querida amiga Cecilia Melo e Castro, que aqui vos quero apresentar no meu "cantinho" como sempre lhe chamei, resolveu fazer uma homenagem aos seus amigos poetas no Facebook.

Cecilia Melo e Castro, Info/artista - Artes Electrónicas/Arte Fractal - Video-Artista e Professora Universitária com um vasto curriculum de exposições nacionais e internacionais tendo recebido alguns prémios como o Silver ArtMajeur Art Award em 2009, Proposta ao Prémio Unesco para Artes Electrónicas, 3º Internacional e 2º Nacional e o Prémio da Crítica para Artes Electrónicas do Festival de Vídeo-Arte de Verona-Itália.

Não posso deixar de referir como é uma Poetisa maravilhosa também. Porque infelizmente é mais fácil reconhecer o que é de fora em vez de reconhecer o que é nosso, aqui fica desta forma a minha sentida homenagem à Mulher e à Artista que é uma grande Amiga.



A Cecilia surpreendeu-me com uma pintura sua que aqui mostro com o titulo "O Olhar excede o Olhar, Olhando", com que me presenteou associando ao meu poema "Quando me olhas" e deixo aqui algumas das suas palavras:



"Comecei a homenagear os meus amigos poetas do Facebook.

Comecei porque adoro e escrevo poesia

Comecei porque adoro a vossa sensibilidade e sentimentos

Comecei porque...simplesmente... gosto muito de vocês... meus Poetas!

Hoje homenageio a minha amiga poeta Ana Casanova, com um poema que gosto muito, entre todos os que também gosto.

Um poema retirado do seu livro "Desabafos d'Alma" "Quando me Olhas" e que diz assim:










Gosto do que os teus olhos me dizem,

Gosto do que falam de mim



Vês-me como eu já nem consigo,

mas é tão bom o que sinto

no brilho que eles reflectem,

quando essa imagem volta pra mim...



Será que essa sou eu

aquela que mora em mim?

É tão bom o que sinto

quando me olhas assim!








Autora: Ana Casanova

Livro: "Desabafos d'Alma"







"Minha querida amiga, sempre os olhos, os olhares e o sentir!

Obrigada por partilhar connosco os seus sentimentos e sensibilidade!

Beijinhos."



Não podia deixar de vos transmitir como faço de há alguns anos para cá, tudo o que sinto dentro de mim!

É muito bom ter amigos e estes momentos de carinho e partilha como sabem são muito importantes e especiais.








Ana Casanova

segunda-feira, 30 de agosto de 2010

Eu e Tu // Inigualáveis

Meus amigos, o mundo dos blogues tem-me dado muito nos mais variados sentidos.

Ao longo de dois anos e meio tenho dado e recebido muito de um mundo que muitos chamam de "virtual". Para mim a amizade é bem real assim como tudo o que partilhamos.


Através de um blog amigo, conheci a DEIA (www.rumoaescrita.blogspot.com) e foi através de uma sua postagem aonde apresentava um "Duplix" feito com o Hod que a curiosidade e a vontade de aprender nasceram em mim.


Vários amigos pediram explicações a que ela prontamente respondeu numa segunda postagem, onde lançava um desafio: Quem escrevesse um "Poetrix", faria um "Duplix" com ela.


Como sou atrevida e extremamente curiosa não consegui resistir e prontamente aceitei o desafio.

Pelos vistos consegui e aqui está o resultado para que possam apreciar. Acho que ficou lindíssimo e estou feliz e orgulhosa com esta parceria.





Eu e Tu // Inigualáveis







Vestido de amor apenas // Nós dois em desatino




meus olhos buscam os teus // nas dobras do lençol de linho







perdendo-se na magia do infinito // qualquer pudor é proibido.











Duplix por: Ana e Deia










A postagem está feita em simultaneo nos dois blogs e agradeço a vossa visita a esta nova amiga que tão carinhosamente me acolheu.






Obrigada DEIA!

domingo, 22 de agosto de 2010

Solto as palavras




"
Solto as palavras
Liberto as metáforas
Conjugo verbos sem medo
Belas, melódicas, dançarinas...
Gosto delas LIVRES
Tal como os meus sonhos!
"
Ana Casanova

terça-feira, 17 de agosto de 2010

Sentir-me



Preciso estar só
Gostar de mim
Tocar-me e sentir-me!
Lamber a minha pele
Como um animal se lambe
Num prazer solitário
Preciso gostar de mim
Porque só assim vou gostar de ti
Preciso sentir-me para te sentir
Como se estivesses debaixo da minha pele.
"
Ana Casanova

sábado, 14 de agosto de 2010

Finito


Quando te abraço
quero dar-te vida
quando me olhas
sinto o teu grito no silêncio
quando te beijo
queria que fosse eterno...
"
Deixei criar o sonho no meu peito
inventei risos de alegria
construí pontes de harmonia
criei laços de ternura
bordados de desejo...
E tudo isto sabendo
que a realidade
é o finito.
"
Ana Casanova

sexta-feira, 13 de agosto de 2010

Lucidez


Luto para resistir
para manter a lucidez
no meio de tanta loucura
medo, inquietação, sofrimento
Tento alimentar a mente
pra não me perder
e em palavras desconexas
lançadas para o papel
tudo faço...
para me sentir inteira!
"
Ana Casanova

segunda-feira, 9 de agosto de 2010

Leva-me...




Dá-me a tua mão
leva-me contigo...
Para onde o céu seja sempre azul
o sol nunca páre de brilhar
os campos sejam sempre verdejantes
os pássaros chilreiem ao amanhecer...
Leva-me para onde o sonho não morre
para onde a felicidade existe
para onde eu tudo possa...
Porque eu não sei sonhar pequeno!
"
Ana Casanova

quarta-feira, 4 de agosto de 2010

Amor Imperfeito


Sonhar o amor é bom
porque tudo é como queremos
não existe tempo, dor
desilusão, contratempo
tudo é perfeito, cor-de-rosa...
Mas eu prefiro vivê-lo!
Pode ser com dor
com a impaciência de um tempo
que não passa para estarmos juntos
com algumas desilusões
ou necessidades de ajustes...
Mas é tão bom viver o amor
de forma concreta e real
que eu prefiro mil vezes
que seja imperfeito
mas que EXISTA!
"
Ana Casanova
"
Resposta ao amor platónico onde tudo é, ou parece ser perfeito...

domingo, 1 de agosto de 2010

TUA


TUA
sem te pertencer
TUA
de tanto te querer
TUA
sem precisar explicar
TUA
porque me fazes sentir
TUA
porque teu toque, beijo, desejo...
me fazem sentir Mulher!
Ana Casanova

segunda-feira, 26 de julho de 2010

GRITO - Francisco Amaral Jorge


Ainda não era o tempo do
cacimbo
e já a tua tela procurava
marcar o ritmo dos tambores
As cores e as formas
eram desenhadas com raiva
e faziam nascer o teu grito
Um grito nascido
das cores que só tu sabias
misturar
Um grito nascido
das tuas mãos que de forma
ágil percorriam a tela
Um grito que era nosso e queriamos que rebentásse no
Universo
Por isso o vermelho
o verde o amarelo
o sangue
Por isso o azul
o castanho o preto
a lágrima
Por isso o cinza
o roxo o branco
o silêncio
Vai amigo
arranca todas as cores da tua memória
e pinta todos os gritos
de todas as mães
que já não sentem a seiva no seu corpo
Vai amigo
mistura os amarelos os vermelhos os pretos
mistura os cinza e os azuis
e pinta suavemente a curva ágil da gazela
a matar a sede no deserto
"
Francisco Amaral Jorge, embora nascido em Portugal, é de Angola que guarda recordações intensas e marcantes que tão bem retrata na sua poesia.
Uma poesia que podem conhecer através do seu blogue aqui linkado e que convido a visitar.
A tela "Grito" aqui retratada no seu poema é do artista plástico Henrique Arede.

terça-feira, 20 de julho de 2010

MOMENTOS...


Uma luz que se faz
num sorriso aberto
que encanta
numa gargalhada
um coração que bate
que está vivo!
Uma ansia imensa
vontade intensa
de viver sem medos
mais um momento da Vida!
"
Ana Casanova

sexta-feira, 16 de julho de 2010

Nua


Aqui onde reinam as palavras
onde as deixo fluir
sem medos ou restrições
julgamentos ou comparações
Aqui onde me solto
onde sou apenas EU
e me liberto!
Aqui canto, danço
Voo e toco as estrelas
Deito-me na lua,
despida de preconceitos
Aqui estou nua
apenas eu.
Meu corpo e minha alma!
"
Ana Casanova

sábado, 10 de julho de 2010

Gesto Solitário


É neste gesto solitário
que me aproximo de ti
Não sei se consigo
Tão pouco sei se me entendes...
Se ouves o meu grito mudo
Se sentes o meu desespero
Se vês como estou perdida...
Mas é desta forma que chego a ti!
Quando te escrevo...
"
Ana Casanova

quinta-feira, 8 de julho de 2010

Pela metade


Não te quero só em partes
não te desejo só pela metade.
Quero partilhar contigo tudo!
Tudo o que tu queiras
Tudo que o que me possas dar
que queiras partilhar
o teu corpo, a tua alma
o teu sorriso, os teus beijos
a tua experiência e anseios
as tuas loucuras e brincadeiras
tuas dúvidas e temores.
Não te quero só pela metade
porque metade é tão pouco pra mim...
Ana Casanova

terça-feira, 29 de junho de 2010

Se eu fosse homem por um dia



Participando da Blogagem Colectiva do blogue Espaço Aberto, à minha maneira respondi o que faria se fosse homem por um dia.
Como se fosse homem, acho que adoraria fazer uma mulher feliz, exactamente porque adoro ser mimada e seduzida, aqui fica em verso como eu seria:
#
Se eu fosse Homem
por um dia
enchia-te de flores
e de pérolas.
Serias a minha Rainha.
Dançaria contigo
ao entardecer
uma música de Percy Sledge
segurando-te suave
mas firmemente
a cintura
enquanto o meu olhar
te diria que
quando um homem
AMA...
não consegue pensar
noutra Mulher!
Ana Casanova

segunda-feira, 28 de junho de 2010

Como num filme


Todos temos uma história
e tu entraste na minha
como o actor principal.
Tudo o que fiz, senti, sonhei
tinha um propósito
porque tu existias!.
Para quê o guião
se por ti fiz loucuras
quebrei as regras
reenventei cenas
sem nunca conseguir ser
a tua Heroína...
Não cheguei ao estrelato
não vi as luzes da ribalta
porque este filme
do qual também fui a realizadora
estava desde o inicio destinado
a ser um fiasco total!
Ana Casanova