segunda-feira, 25 de fevereiro de 2008

Carta a um amor antigo





Encantaste-me com a tua pureza, com a tua lealdade, com a tua beleza nada convencional mas que me disse mais, muito mais, que outras belezas.
És como as coisas boas que brotam da terra, naturais e lindas por serem como são: expontâneas!
Entras-te no meu imaginário e fizeste-me sonhar, fizeste falar o meu lado mais romântico, acreditar outra vez na felicidade.
Embora completamente diferentes, somos como que impelidos um para o outro, como que por um íman que nos atrai e que nos faz ter ideiais que pretendemos concretizar lado a lado, tornando mais fortes os pontos que temos em comum e enriquecer com as nossas diferenças aproveitando o que a nossa vida passada nos pode auxiliar no projecto futuro que temos de vida em comum.

(Este sonho acabou mas como o sonho comanda a vida, continuo a sonhar...)


Ana C.