sexta-feira, 28 de maio de 2010

Querem originalidade...


Querem originalidade...
Mas existe originalidade na maldade?
Criticar por criticar é tão simples...
Oiço as víboras sibilar
sempre atentas, traiçoeiras
são astutas, matreiras
mas é tanta a maldade
que sem esperar
acabam por provar do seu veneno.
E lá se vai a originalidade!
É que ela não existe na maldade...
Ana Casanova

7 comentários:

[ rod ] ® disse...

Quem rende glórias ao mal é tão previsível que as etapas são comuns ao todo. Faz o inverso requer tempo, pensamento e disposição tão singulares e ímpares.

Um bj moça.

AFRICA EM POESIA disse...

Ana
Menina linda
Manda-me um livro.com dedicatória e NIB.
Beijinhos

tossan® disse...

Faz parte do seu show...Faz parte do seu show...Beijo moça

mundo azul disse...

_________________________________

Não existe originalidade na maldade, pois ela existiu desde sempre... Infelizmente!
Entretanto, minha amiga, quem a ditribui com gosto, haverá de tomar até a última gota do seu próprio copo envenenado...

Gostei do seu poema desabafo!


Beijos de luz e o meu carinho SEMPRE!

___________________________________

Elcio Tuiribepi disse...

Oi amiga...obrigado por suas palavras lá no Verseiro...não ligue para a maldade...
Dá um chute no traseiro dela e sorria da sua falta total de originalidade...
Viva Ana e construa seu caminho de acordo com o que seu coração mandar...só asim se sentirá feliz...
Um abraço na alma...bjo

Táxi Pluvioso disse...

Quem quer originalidade vai... à Zara.

Maria Luisa Adães disse...

ana

A maldade
nunca pode ser original,
mas pensa que é
e actua como tal.

Fechemos a maldade
num cofre a sete chaves
e a deitemos ao mar.

Ninguém pode acusar,
Ninguém pode perdoar!

Beijo,

Mª. Luísa