segunda-feira, 14 de maio de 2012

MÃOS






 Conheço as tuas mãos.
A minha pele reconhece-as
quando me tocas
... e percorres o meu corpo
sedento de ti.


Meu corpo é terra que por ti clama.
Que percorres sedento
como um viajante que caminha
sobre as areias quentes do deserto
em busca do oásis de águas doces
que tu...
Sempre encontras.

Ana Casanova

Tela (acrílico) de meu filho César Casanova de Sousa
Ver mais


11 comentários:

Marcia disse...

lindissimo minha querida !Uma semana maravilhosa para ti!

mundo da lua disse...

Como sabes as mãos trazem para perto aquilo q o coração pede
E são as mãos que transformam em letras aquilo que o coração escreve.

Sneyder disse...

Manos que intuyen la sed... Deslizándose por esa tierra que clama arar tu tierra suave, ondulada...

Un cálido abrazo

:.tossan® disse...

Amor acostumado. Lindo demais o poema Ana! A pintura de Cesar é magnífica. Você faz falta entre nós. Saudade! Beijo

alp disse...

Hola, te veo muy bien en la anterior foto. Muy bueno. Un beso desde Murcia.

Nilson Barcelli disse...

Belíssimo poema.
Gostei das tuas palavras, como sempre.
Ana, querida amiga, tem um bom resto de semana.
Beijo.

nacasadorau disse...

Belíssimo.

Beijinho

Anne Lieri disse...

Ana,muito linda sua poesia!As mãos expressam muito aquilo que sentimos!Gostaria de postar seu novo livro em meu blog do Recanto dos autores,posso? Bjs e boa sexta!

Fernando Santos (Chana) disse...

Excelente poema....
Cumprimentos

Nilson Barcelli disse...

Ana, querida amiga, tem um bom resto de semana.
Beijo.

O Profeta disse...

És imensa no sentir...


Doce beijo